Como a Gestão da Qualidade e a Metodologia Lean 6 Sigma podem elevar os resultados de sua empresa?

Como a Gestão da Qualidade e a Metodologia Lean 6 Sigma podem elevar os resultados de sua empresa?

Já identificou o desempenho da sua empresa e como você pode aumentar o crescimento dela significativamente, sem grandes investimentos?

Você já parou para pensar na forma em que sua empresa avalia as oportunidades de crescimento e atua em evolução contínua?

Além disso, você sabia que as metodologias Lean 6 Sigma e Gestão da Qualidade são reconhecidas internacionalmente e amplamente utilizadas pelas grandes empresas do mercado?

E o principal, já atentou-se que uma ótima forma de aumentar os lucros de sua empresa pode ser através da melhoria e redução de custos dos processos de seu negócio e da satisfação de seus Clientes?

Ser competitivo é estar no comando, manter-se à frente com uma gestão bem implementada

Ao final de sua leitura, você terá aprendido como a Excelência em Gestão da Qualidade e a Metodologia Lean 6 Sigma podem lhe auxiliar na obtenção de bons resultados. E com isso, ampliar as chances de crescimento no mercado

E você pode estar se perguntando: E isso se aplica ao meu negócio?


Pois saiba que tanto a Excelência em Gestão Qualidade como o Lean Six Sigma são conceitos muito utilizados no Brasil e em diversos países do mundo, muitas empresas obtém maior competitividade e lucro com esses métodos, além de serem facilmente aplicável em qualquer segmento, em empresas de pequeno, médio ou grande porte.

Já tive oportunidade de aplicar e acompanhar resultados pessoalmente em locais fora do Brasil, como Chile, EUA, Portugal, Suíça e Chile.

E então, está preparado para conhecer e pensar em implantar o conceito que pode levar a sua empresa ao nível de Excelência?

De modo bem sintético, a Gestão da Qualidade  é um conceito focado no pensamento estratégico para gerenciamento de uma empresa, com foco no sucesso no longo prazo, com objetivo principal na Satisfação do cliente, Melhoria contínua de processos e Resultados em uma empresa

A Gestão da Qualidade possui funções que definem políticas, objetivos e responsabilidades, com impacto não só no planejamento e o controle, mas também com foco na garantia e a melhoria continua da qualidade dos qualidade dos produtos e serviços de sua empresa.

A Gestão da Qualidade pode ser desenvolvida através do Sistema de Gestão da Qualidade, empregando padronização em processos, produtos e serviços, com foco em minimizar possibilidades de falhas e erros em um processo ou linha de produção, para entregas no prazo e com qualidade, de forma a garantir a satisfação de seu Cliente .

Conheça a metodologia Lean 6 Sigma

A metodologia Lean 6 Sigma é a combinação da metodologia 6 Sigma com a filosofia Lean Manufacturing (manufatura enxuta).

O Lean e o Seis Sigma

São filosofias distintas que se complementam em um processo produtivo,

Enquanto o Lean tem foco em:

  • Redução de desperdícios
  • Aumento na eficiência dos processos
  • Eliminar processos e atividades que não agregam valor para o cliente,

O Six Sigma (ou seis sigma) foca principalmente em:

  • Melhorar a Qualidade
  • Diminuir variabilidade dos produtos e/ou serviços

Sendo assim, a metodologia Lean 6 Sigma atua com a eliminação de desperdício e a erradicação da causa de defeitos, otimizando seu desempenho. Para que seu desenvolvimento em qualquer organização tenha sucesso, é necessário a quebra dos paradigmas existentes, relacionados à cultura instalada. A filosofia Lean trabalha muito nestes conceitos. Enquanto isso, a metodologia 6 Sigma trabalha buscando o nível 6 Sigmas, que representam a grandeza de 3,4 defeitos em um milhão.

Você conhece um conceito que pode ajudar a sua empresa a aumentar o nível da qualidade e reduzir custos, sem custos elevados e com ferramentas simples?

O Sistema de Gestão Integrado tem esse foco em integrar a Excelência em Gestão da Qualidade com o Lean Sigma. Veja na sequência  esse quadro que demonstra de forma estratégica os benefícios desse conceito, que abrange a Gestão interna e Externa da empresa de forma integrada:

Partimos do princípio que o Sistema de Gestão Integrado aborda de maneira ampla os pilares estratégicos da empresa, de forma a abranger e integrar os pilares relevantes de seu negócio.

A proposta principal é mudar o mindset e refinar a estrutura e governança da sua empresa para que todos pensem e ajam com o foco e olhar da qualidade, ou seja, melhor qualidade com maior eficiência.

Na busca por bons resultados, o Lean 6 Sigma promove qualidade e agilidade, trazendo melhoria da qualidade do produto ou serviço, atendendo a satisfação do cliente dentro do prazo. A Gestão da Qualidade promove impactos positivos nos resultados das empresas, principalmente nos âmbitos financeiro e operacional.

Quando são adotadas a Gestão da Qualidade e a Metodologia Lean Seis Sigma, juntas, o resultado é garantido. É a empresa sendo eficaz e eficiente: eficaz com a conquista das metas planejadas, e eficiente fazendo mais com menos recursos.

Essa sinergia mantém o foco da empresa em planejamento, implementação, garantia e melhoria contínua, reduzindo desperdícios e defeitos, aumentando eficácia e eficiência com a quebra de paradigmas limitantes.

Além de todas as oportunidades já mencionadas, essa combinação pode ser aplicada sem restrição: em ambientes fabris, no chão de fábrica, nas áreas de planejamento e estratégia, em rotinas administrativas, nas áreas de relacionamento com clientes, entre várias outras possibilidades.

Como aplicar a metodologia de forma consistente em uma empresa?

Atenção!!!! Esse ponto é crucial para o sucesso da implantação de uma forma consistente!

Em primeiro lugar, deve estar alinhada  com a visão Estratégica e diretamente ligada com a Diretriz da liderança. Não existe , ou ao menos é muito mais morosa e difícil, uma mudança de cultura desse nível diferente do conceito Top Down.

E como fazer de maneira descomplicada, mas que seja feita!

Na fase inicial, deve ser tratado como um Projeto!

Ou seja, para implantar essa metodologia, a fase inicial é muito nova para todos os envolvidos e por isso deve ser tratada como um Projeto, com Planejamento, engajamento  de todos e acompanhamento constante da evolução.  É importantíssimo que se tenha um Dono responsável por garantir a implantação, evolução e reports aos Sponsors e responsáveis envolvidos.

Uma sugestão de implantação é em seguir o bom e efetivo modelo de PDCA associado ao conceito de Projeto:

Etapas do Projeto para Implantação da Ghttps://beable.com.br/excelencia-em-gestao-da-qualidade-e-metodologia-lean-6-sigma/estão da Qualidade associada ao Lean 6 Sigma

Outro fator relevante é a definição da abrangência e foco de atuação, isso pode variar muito de acordo com cada empresa. A seguir, compartilhamos uma proposta dos Pilares Estratégicos do Sistema Integrado, que podem variar de acordo com o seu negócio:

  • Clientes
  • Cultura, Equipe e liderança,
  • Resultados
  • Inovação
  • Riscos
  • Governança
  • Processos
  • Controle

Na prática: Como a Gestão da Qualidade e o Lean 6 Sigma podem ser aplicada de forma simples e trazer  bons resultados ao meu negócio?

Atuar com o crescimento da empresa é um dos requisitos chave para qualquer profissional hoje em dia

Compartilhamos aqui algumas ferramentas essenciais relacionadas à Gestão da Qualidade e Lean 6 Sigma associadas à alguns desses Pilares Estratégicos que são muito utilizadas no mercado e são fundamentais para alcance de resultados e evolução das empresas:

  • Clientes
    • Pesquisa de Clientes
    • Manifestação de Clientes
  • Processos
    • SIPOC
    • Fluxograma
    • Diagrama de Ishikawa
  • Riscos
    • FMEA
  • Inovação
    • Design Thinking
  • Governança e Controles
    • Ciclos PDCA
    • Comitês de Governança
    • SLAs e OLAs
  • Resultados e KPIs
    • Princípio de Pareto
    • KPIs e Indicadores relevantes ao seu negócio

A partir daqui, o convido a iniciar esse processo , de melhoria contínua e de fato obter melhores resultados em seu negócio na prática, de forma simples e descomplicada!

Se você ficou interessado e deseja aprender mais a fundo sobre estas ferramentas, a Be Able possui o curso ideal para você. Elaborado para profissionais que desejam atuar com melhoria contínua, o curso permite que você conquiste a evolução da empresa em que atua, evoluindo junto com ela.

Invista em você!

Com este curso você estará mais capacitado no mercado de trabalho e potencializará oportunidades de crescimento. Acesse a página do curso Excelência em Gestão da Qualidade e Metodologia Lean 6 Sigma e entenda mais sobre esta oportunidade.

Se você gostou deste post, fique à vontade para compartilhar este assunto com seus colegas.

Se você ainda não é assinante de nossa newsletter, cadastre-se para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos acompanhe nas mídias sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.

Fernanda Bellotti, sócia da Be Able e de instrutora de treinamentos de Excelência em Gestão da Qualidade, Lean 6 Sigma, Perfil Comportamental, Melhoria de resultados, entre outros com base em experiências adquiridas no Brasil, EUA, Suíça, Bahamas, Chile e Portugal.

Teste de Perfil Comportamental DISC: como ele pode te ajudar a crescer?

Teste de Perfil Comportamental DISC: como ele pode te ajudar a crescer?

Outro dia, antes de iniciarmos uma reunião de trabalho em nossa empresa, estávamos conversando e a discussão em questão era sobre o perfil comportamental de cada um de nós, segundo a teoria DISC.

O diretor financeiro respondeu prontamente que seu perfil era Executor.
A superintendente comercial enfatizou, de forma muito simpática e encantadora, que naturalmente seu perfil era Comunicador.
Em seguida, o gestor contábil disse que, em seu último teste realizado há 1 mês e 25 dias, o resultado de seu perfil era Analista e, após ouvir a todos pacientemente, a gestora da área de recursos humanos da empresa compartilhou que seu perfil era Planejador.

Nesse momento, uma de nossas colegas de equipe mais recente na empresa, nos perguntou:

– Mas o que exatamente quer dizer essa metodologia DISC e a análise de perfil comportamental? Isso é importante? Não sei qual é o meu perfil, mas imagino que seja algo interessante e relevante.

E você, sabe qual seu perfil comportamental e que tipo de profissional você é de acordo com o DISC?

Sabendo que o autoconhecimento e análise do Perfil comportamental é extremamente relevante em nossa vida pessoal e profissional, e que conceito do DISC tem sido cada vez mais falado, seja nas empresas, startups, reuniões corporativas, como também em  grupos de amigos, explicamos o conceito do DISC de forma macro e enfatizamos que esse é um assunto necessário em nossas vidas e muito benéfico, que todos ganham a partir do momento que conhecemos mais a fundo e nos aprofundamos melhor nesse tema.

O DISC é uma das metodologias de “assessment” e análise e perfil comportamental considerada mais confiável no mercado e provavelmente a mais utilizada no mundo dos negócios.

Esse conceito do DISC já é um assunto abordado em todos os níveis hierárquicos. Independente do cargo ou posição e é um recurso cada vez mais aplicado nas empresas e uma prática considerada essencial, em especial no papel de líder e empreendedor.

A metodologia DISC apresenta quatro traços básicos de comportamento para análise do perfil comportamental de uma pessoa:

Dominance – Dominância: Perfil executor
Os fatores predominantes desse perfil são: direto, competitivo, orientado a resultados e decidido.

Influence – Influência: Perfil Comunicador
As características mais relevantes desse perfil são: inspirador, confiante, otimista, popular sociável, confia nos outros.

Steadiness – Estabilidade: Perfil Planejador
Os principais descritores a se destacar são: paciente, agradável, sincero, estável, bom ouvinte, constante, membro de equipe.

Compliance – Conformidade: Perfil Analista
Se descrevem principalmente por serem precisos, perfeccionistas, analíticos, minucioso, detalhistas, minucioso e cuidadoso

Essa é uma ideia geral e abordagem macro sobre os conceitos do DISC.
Para quem busca evoluir pessoalmente e profissionalmente, é necessário ir além e se aprofundar mais nesse conceito,
pois o DISC pode nos proporcionar muitos benefícios, em especial em relação à nossa carreira e evolução profissional.

Você conhece os benefícios do DISC e da análise de perfil comportamental?

É possível perceber facilmente a necessidade e os benefícios de aprofundar o conhecimento nesse tema por meio das seguintes reflexões :

– Já pode reparar que de acordo com determinado estímulo, por exemplo um lugar agitado, duas pessoas podem ter comportamentos completamente opostos?

– Percebeu também que frente a um mesmo acontecimento, por exemplo você e uma pessoa próxima, podem levar tempos completamente diferentes para tomarem uma decisão e que, inclusive, pode ser a mesma?

– Quantas vezes você já se perguntou e ficou se indagando sobre o comportamento e atitudes de outras pessoas, que se estivesse no lugar dela, faria e agiria de exatamente de maneira oposta?

– E em quantas inúmeras situações já dependeu de outra pessoa e não conseguiu convencê-la a fazer da sua maneira, por pensar e agir de maneira distinta?

– Em sua vida, já houveram situações que se esforçou excessivamente a desempenhar alguma atividade, enquanto vê outras pessoa fazendo com “o pé nas costas”?

Pois saiba que um dos grandes benefícios é que, a partir do momento que você conhece os perfis comportamentais, passa a entender melhor o estilo, habilidades, características, seus medos, as motivações,  comportamentos e uma série de fatores, de forma a saber lidar melhor com você mesmo e com as outras pessoas à sua volta.

Além disso, os perfis comportamentais permitem percebermos quais os comportamentos e valores que nos motiva, de forma a trabalhar melhor nossas aptidões em relação à capacidade de comunicação, de planejamento, de execução e analítica.

Veja a seguir de forma consolidada um quadro que resume mais alguns dos benefícios do DISC:

Por fim, poderíamos escrever um livro pois são inúmeros os benefícios na análise do perfil comportamental, mas para concluir, compartilhamos mais um deles que merece um destaque especial: A partir do momento que identificamos nosso perfil comportamental, podemos aumentar as chances de sucesso, pois viver de maneira contrária ao próprio perfil comportamental pode diminuir a energia vital e individual.

Agora que você já sabe de tudo isso, evoluirá em sua carreira com o DISC e análise de perfil comportamental?

Agora que você já aprendeu um pouco sobre a análise de perfil comportamental e os benefícios do DISC, conte para nós o seu perfil e o que é mais difícil para você, escrevendo nos comentários!

Em nossa empresa, não paramos por aí! Esse questionamento que nossa colega nos fez nos chamou a atenção e alertou para olharmos melhor todas as pessoas da empresa, pois se ela desconhecia a relevância desse assunto e o benefício que temos com a análise do Perfil Comportamental, certamente outras pessoas da empresa poderiam estar na mesma situação.

Curiosos, iniciamos um levantamento em nossas áreas e percebemos que diversas pessoas da empresa desconheciam esse conceito, em especial as que estavam insatisfeitas e desmotivadas.

Percebemos facilmente a mudança a fazer e o quanto isso seria benéfico pois, além de melhorar a vida e motivação de cada uma das pessoas e profissionais, certamente os resultados e o clima da empresa poderia melhorar como um todo!

Se você gostou deste post, fique à vontade para compartilhar este assunto com seus colegas.

Se você ainda não é assinante de nossa newsletter, cadastre-se para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos acompanhe nas mídias sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.

Kleber Donady – Sócio fundador da Be Able e instrutor de treinamentos relacionados à Gestão Empresarial, como: Liderança, Gestão Financeira, Empreendedorismo, Design Thinking, entre outros com foco em evolução profissional e pessoal.

O que é e como calcular o ponto de equilíbrio de sua empresa

O que é e como calcular o ponto de equilíbrio de sua empresa

Este talvez seja o primeiro indicador a ser calculado pelo empresário, pois, ele representa a meta mínima de vendas para que uma empresa pague suas contas e não tenha prejuízo. Neste artigo, vamos mostrar como calcular esse indicador e também as diferenças entre o ponto de equilíbrio contábil, ponto de equilíbrio financeiro e econômico.

Antes de começar, para calcular o ponto de equilíbrio de sua empresa, você precisa, primeiramente, saber todos os seus custos e despesas corretamente, se você ainda não sabe acesse este artigo que explico como. Se você já sabe é preciso conhecer também a sua margem de contribuição (clique aqui para baixar sua planilha gratuita para cálculo)

O que você vai encontrar neste artigo:

  • O que é ponto de equilíbrio?
    • Ponto de equilíbrio contábil
    • Ponto de equilíbrio financeiro
    • Ponto de equilíbrio econômico
  • Como calcular o ponto de equilíbrio?
  • Ponto de equilíbrio pode ser uma meta na OMTM
  • Quais as principais vantagens do ponto de equilíbrio?

O que é ponto de equilíbrio?

O ponto de equilíbrio ou break-even point, ponto de ruptura, ou, ainda, ponto crítico, é o valor de faturamento/vendas brutas em que a empresa ainda não obtém lucro, mas também não dá prejuízo, ou seja, os produtos ou serviços vendidos são suficientes para pagar todos os custos e despesas fixas e variáveis. Neste caso há um empate em 0 x 0.

Este valor do ponto de equilíbrio é importante saber, pois é a partir deste valor que a empresa começa a obter lucro, sendo assim, o valor calculado deve ser encarado como a meta mínima de vendas da empresa, antes de bater a meta mínima a empresa está no prejuízo.

No curso de gestão financeira, frisamos aos alunos que esta é aquela meta que deveria ser batida, pelo menos na primeira metade do mês, para ter mais metade do mês para bater a meta de lucro, obviamente que isso depende de negócio para negócio. 

Para você entender melhor sobre este tema, saiba que existem três variações do ponto de equilíbrio: o contábil, o financeiro e o econômico. Eles são muito parecidos no conceito, mas apresentam perspectivas um pouco diferentes para o cálculo.

Vamos entender melhor?

Ponto de equilíbrio contábil

Esse é o mais comum e utilizado pelas empresas. Para calculá-lo basta dividir os custos e as despesas fixas pela margem de contribuição. O resultado é o valor de venda para cobrir estes gastos e não obter lucro nem prejuízo.

Ponto de equilíbrio financeiro

A diferença para o ponto de equilíbrio contábil é que ele não considera na conta depreciações e outras despesas que a empresa não precisa desembolsar, mas que são contabilizadas em um Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE), por exemplo. 

O que conta neste caso são os gastos realizados no dia a dia da empresa, como despesas administrativas e custos operacionais somente. 

Ponto de equilíbrio econômico

O ponto de equilíbrio econômico é preciso somar o custo de oportunidade, que considera a margem de ganho que o empresário poderia obter se tivesse investido em outro negócio ou em um fundo de investimento, por exemplo. 

De forma que o negócio tem que gerar um resultado igual, ou, maior do pretendido pelo empresário, sendo nesse exato ponto encontrado o equilíbrio econômico, que, além dos custos, calcula o custo de “oportunidade” para indicar a quantidade necessária de faturamento para equilibrar esses fatores de forma a se tornarem lucrativos.

Dos três citados acima, o que se usa mais no dia a dia da empresa é o ponto de equilíbrio contábil.

Como calcular o ponto de equilíbrio?

Para você compreender melhor, vamos começar a mostrar como fazer os cálculos de cada um deles, neste caso, começaremos pela fórmula do ponto de equilíbrio contábil, que é um dos mais utilizados no dia a dia, e sua fórmula é a seguinte:

Ponto de equilíbrio contábil = custos e despesas fixas / índice da margem de contribuição

Portanto, antes de obter o ponto de equilíbrio contábil, é necessário calcular o valor total dos custos e despesas fixas mensais e o índice da margem de contribuição.

Para tornar o exemplo mais prático, vamos fazer o cálculo usando um exemplo com números.

Imagine que sua empresa venda um produto por R$200,00, este produto possui um custo de aquisição, que seria o CMV (custo da mercadoria vendida) de R$80,00 e custos variáveis, que podem ser impostos sobre a venda, comissão para cartões ou comissão para vendedores de 20% sobre a venda, que neste caso seria de R$40,00. Além disso, há um gasto fixo (custo + despesa fixa) de R$7.000,00 mensais.

Colocando os valores em uma planilha, temos o seguinte:

Na planilha, identificamos o índice da margem de contribuição 40%, pois a margem de contribuição é o resultado do preço/venda menos os custos variáveis. Agora é só aplicar a fórmula:

Ponto de equilíbrio contábil = R$7.000,00 / 0,4

Ponto de equilíbrio contábil = R$17.500,00 (ou 88 unidades)

Isso significa que a empresa precisa vender 88 unidades de seu produto, faturando R$17.500,00 para chegar ao ponto de equilíbrio e pagar todos seus custos e despesas. A partir deste ponto, cada produto que for vendido vai contribuir para o acúmulo de recursos, ou seja, para o lucro do negócio.

Ponto de equilíbrio Financeiro

No ponto de equilíbrio financeiro, a fórmula é a seguinte:

Ponto de equilíbrio financeiro = despesas e custos fixos – despesas com depreciação/margem de contribuição

Vamos continuar usando os valores da nossa planilha, mas agora incluindo como depreciações de ativos o valor fixo de R$1.000,00. Assim, aplicando na fórmula, temos:

Ponto de equilíbrio financeiro = R$7.000,00 – R$1.000,00 / 0,4

Ponto de equilíbrio financeiro = R$15.000,00 (ou 75 unidades)

Ponto de equilíbrio econômico

Já para calcular o ponto de equilíbrio econômico, como dissemos, é necessário acrescentar o valor do custo de oportunidade. Então, imagine que um empreendedor que abra uma empresa poderia ganhar R$5.000,00 por mês com em um investimento em aplicações financeiras. Aplicando os valores à seguinte fórmula, temos:

Ponto de equilíbrio econômico = custos e despesas fixas + custo de oportunidade/margem de contribuição

Ponto de equilíbrio econômico = (R$7.000,00 + R$5.000,00) / 0,4

Ponto de equilíbrio econômico = R$30.000,00 ou 150 unidades

Ponto de equilíbrio para obtenção de lucro

Obviamente, você deve estar pensando que calcular o ponto de equilíbrio ajuda a saber qual o valor de vendas a empresa precisa realizar para não ter prejuízo, mas ainda não há lucro, neste caso, como saber qual o valor a empresa precisa vender para obter lucro?

Para saber isso, a conta é bem simples, basta somar ao valor de gastos fixos o quanto você deseja obter de lucro em valor.

Exemplo: se você deseja ter lucro líquido de R$10.000,00, basta somar este valor ao valor dos gastos fixos.

Fica assim: (R$7.000,00 + R$10.000,00) / 0,4 = R$42.500,00 ou 213 unidades vendidas.

Simples não é mesmo?

Ponto de equilíbrio como uma meta na OMTM

A One Metric that Matters (OMTM), ou em uma tradução simples “Uma métrica que importa” simboliza a meta a qual uma determinada empresa deverá se espelhar para atingir os seus resultados, funcionam mais, ou, menos como índices, por exemplo, raramente será possível acrescer as receitas e reduzir os custos em razão ao aumento no faturamento, o qual precisa de determinados investimentos.

Considerando isso atingir o ponto de equilíbrio poderá ser, em um primeiro momento, a OMTM da empresa, ou seja, a sua meta a ser alcançada, sendo nesse instante que esta alcançará o marco de zero a zero e poderá assim, evitar prejuízos, a partir desse ponto será possível conseguir o lucro estimado. 

A OMTM poderá ser, por exemplo, a meta seguinte a ser atingida, após, atingir a posição de contas iguais, sendo o momento ideal para aumentar o lucro do negócio, sendo uma forma eficiente criar pontos de equilíbrios para alcançar os objetivos da empresa. 

Quais as principais vantagens do ponto de equilíbrio?

O ponto de equilíbrio demonstra em números reais a realidade da empresa, quanto a empresa precisa vender, em unidades, para ser mais lucrativa.

Sendo assim, é a meta mínima de vendas que deve ser perseguida ao extremo logo no início do mês, abaixo desta meta a empresa sabe que está no prejuízo e acima sabe que está obtendo lucro.

Em todas empresas este valor deveria ser amplamente divulgado a todos os funcionários, para que todos saibam o que é preciso fazer para terminar o mês no azul.

Se você gostou deste post, fique à vontade para compartilhar este assunto com seus colegas.

Se você ainda não é assinante de nossa newsletter, cadastre-se para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos acompanhe nas mídias sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.

Kleber Donady – Sócio fundador da Be Able e instrutor de treinamentos relacionados à Gestão Empresarial, como: Liderança, Gestão Financeira, Empreendedorismo, Design Thinking, entre outros com foco em evolução profissional e pessoal.
Como separar gastos pessoais dos gastos da empresa

Como separar gastos pessoais dos gastos da empresa

Se ter uma vida financeira pessoal organizada pode parecer difícil para algumas pessoas, imagine agora, juntarmos organização financeira pessoal e organização financeira da empresa!

Imaginou? 

Se uma coisa parece difícil, quando juntamos as duas pode parecer tarefa quase impossível, não à toa, que este é um dos motivos que mais fazem empresas quebrarem e não alcançarem o sucesso que poderiam. 


Mas como fazer para separar corretamente os gastos da empresa e os gastos pessoais?

Isto não é uma tarefa tão difícil quanto parece, por isso separamos algumas dicas aqui para que você consiga fazer isso sem maiores complicações. 

Mas antes de entrarmos nas dicas, é preciso que você saiba alguns pontos:

1. Entender que pessoa física e pessoa jurídica não são a mesma coisa

Mesmo que pareçam a mesma coisa, não são, e não é apenas uma questão de CPF e CNPJ. Uma é você pessoa física, com suas contas pessoais, seus sonhos e desejos e outra é a empresa, o seu negócio, com suas responsabilidades e pretensão de crescimento.

Se você entrega um serviço ou produz algo e é pequeno em termos de volume ou valores, pense que no futuro você deve querer crescer e prosperar, e para isso deverá saber o quanto sua empresa tem de capacidade produtiva e de crescimento, além disso, suas reponsabilidades como pessoa física são diferentes de uma empresa.

Por isso, mesmo no começo de atividade, busque fazer esta separação e entender que você pessoa física é bem diferente de você pessoa jurídica.

2. Por que separar pessoa física de pessoa jurídica?

Mesmo que pareça desnecessária para empresas muito pequenas, é essencial saber qual resultado a empresa gera e se está sendo efetiva a sua operação.

Digamos que você começou uma atividade agora e vende sanduíches que você mesmo prepara. Ao saber o resultado real da operação é possível identificar corretamente se a empresa é próspera ou não.

Outro motivo é saber exatamente o quanto você pessoa física pode fazer de retirada da empresa, sem que prejudique a operação e o futuro dela. 

Lembre-se que grande parte das grandes empresas no mercado começaram muito pequenas.

Como separar gastos pessoais e os gastos da empresa

Se você já entendeu que deve haver uma separação entre os tipos de pessoas, você deve, em primeiro lugar, saber exatamente quais os números reais de cada uma. 

Para realizar esta tarefa é fundamental o uso de algumas ferramentas básicas. No caso da empresa, o uso de um fluxo de caixa é essencial, pois ele ajudará a mensurar quais as entradas e saídas de dinheiro da empresa.

Porém, apenas o uso da ferramenta não garante 100% de assertividade, pois se você não anotar corretamente cada um dos valores em cada uma das ferramentas, nada disso fará sentido. 

Se você ainda não começou a usar o fluxo de caixa e nem sabe o que é ao certo, sugerimos que comece lendo este artigo.


Se você já sabe o que é um fluxo de caixa, separamos mais algumas dicas para você conseguir fazer a separação dos gastos de uma vez por todas. 

I. No caso de empresa nova, faça um controle rigoroso nos primeiros meses e anote cada valor gasto em seu fluxo de caixa, neste primeiro momento não pense em fazer grandes retiradas, pois no início é mais importante saber qual o resultado da empresa do que você ganhar algum dinheiro.


II. Verifique qual o resultado real da operação, saiba exatamente qual o valor de lucro e quanto você poderá retirar mensalmente, seja consciente e não se esqueça de uma reserva para capital de giro.

Se você não sabe muito bem o que é capital de giro, veja este artigo.


III. Determine um salário factível, mesmo que este salário não seja o que você mais esperava, saiba que o começo é assim mesmo, muito difícil algum negócio começar a pagar um bom salário antes de estabilizar.


IV. Adeque suas necessidades pessoais aos ganhos proporcionados pela empresa, não o contrário. Este é um erro clássico, onde empresários definem o seu estilo de vida e fazem as retiradas sem se importarem se a empresa pode ou não pagar.


V. Possua contas bancárias separadas para a pessoa física e jurídica. Hoje em dia existem alguns bancos digitais que oferecem contas pessoa física e jurídica sem taxas, esta é uma excelente opção para quem precisa separar suas contas, além disso o uso separado das contas facilita ainda mais o controle dos gastos de cada um.

Porém, não adianta fazer uma separação de contas, mas continuar a usar o cartão da empresa para pagar contas pessoais ou vice-versa.

VI. Separe suas atividades domésticas das profissionais. Se você utiliza o veículo da empresa para buscar um filho na escola, anote estes gastos de quilometragem e combustível para que você possa reembolsar a empresa, mesmo que seja um valor muito pequeno. 

É comum empresários se beneficiarem de alguns itens da empresa em benefício próprio considerando serem de pequenos valores, mas ao fim de um ano o valor somado ser bem substancial.

Outra coisa, é não misturar as atividades, ou seja, solicitar a um funcionário para realizar um serviço pessoal, por exemplo.


VII. Crie regras de reembolso. Se para você é difícil não misturar as atividades pessoais e profissionais, crie algumas regras de reembolso. Por exemplo: se você utiliza seu veículo próprio para visitar clientes de sua empresa, crie uma regra de reembolso por quilometragem para facilitar o controle dos gastos pessoais e profissionais.

VIII. Aproveite benefícios exclusivos de pessoa jurídica. Muitos bancos ou serviços oferecem planos de serviços exclusivos para pessoa jurídica. Aproveite estes benefícios e descontos para poder gastar ainda menos. No entanto não misture as coisas, se você utiliza um celular com plano de pessoa jurídica para seu filho, esposa, marido etc. Faça um reembolso dos gastos, caso este seja seu caso.

IX. NUNCA* esqueça de reservar capital para a empresa. Em hipótese alguma esqueça de separar o que deve ser deixado como capital de giro para a empresa. O capital de giro é essencial para qualquer crise ou baixa nas vendas, além disso, ele que vai garantir a sobrevivência da empresa caso aconteça qualquer imprevisto.

*letras maiúsculas para ficar bem evidenciado a importância.


Concluindo: a frase de lei é separar as despesas da empresa das suas despesas pessoais, com isso a gestão de ambas será mais focada e eficiente, sem retiradas de risco, sem gastos desnecessários, separando suas despesas você conseguirá identificar qual o lucro real da sua empresa e quanto custa sua vida pessoal.

Agora que você já aprendeu como fazer a separação das suas contas pessoais e empresariais, conte para nós o que é mais difícil para você, escrevendo nos comentários!

O que é DRE e para que serve?

O que é DRE e para que serve?

Cuidar da gestão financeira de uma empresa não é uma tarefa fácil. Um bom gestor deve levar em consideração os mínimos detalhes de sua operação, caso contrário não terá controle suficiente para tomar decisões importantes. Neste sentido, existem ferramentas que são fundamentais para este controle ser mais efetivo, uma delas, que é destacada neste artigo é o DRE – demonstrativo de resultados do exercício.

Mas afinal, você sabe o que é um DRE e qual a sua importância?

Separamos neste artigo um guia completo do que é o DRE, qual a sua importância e como montar um. Vamos começar?

O que é um DRE?

O DRE é uma sigla que significa Demonstrativo de Resultados do Exercício, ou também denominada como ARE, Apuração de Resultados do Exercício. Para que você possa entender melhor, vejamos como o DRE é representado de acordo com CPC- 26:

“As demonstrações contábeis são uma representação estruturada da posição patrimonial e financeira e do desempenho da entidade. O objetivo das demonstrações contábeis é o de proporcionar informação acerca da posição patrimonial e financeira, do desempenho e dos fluxos de caixa da entidade que seja útil a um grande número de usuários em suas avaliações e tomada de decisões econômicas.”

Com base nesta explicação, o DRE é um relatório feito em um determinado período para apresentar os resultados operacionais, e não operacionais, de uma organização. Sendo assim, por meio do DRE, você tem um resumo das despesas, receitas, investimentos, provisões apuradas e custos de uma empresa.

O seu objetivo é realizar uma demonstração da composição de um resultado líquido em um exercício.  A partir disso, ele consegue gerar dados importantes que estão diretamente ligados à tomadas de decisões da empresa.

Geralmente o DRE é feito referente a um período anual, mas em algumas situações ele pode ser realizado mensalmente também, assim o empresário pode ter um controle maior e tomar decisões no momento que deve ser tomada.

Além disso, é importante ressaltar que o DRE é um documento obrigatório, utilizado para declarar todos os lucros e despesas de uma empresa anualmente. Por isso, fazê-lo mensalmente ou trimestralmente, facilita muito no relatório anual. 

Mas lembre-se, fazer o DRE não é só uma obrigação fiscal, também é uma possibilidade de mensurar resultados e mapear estratégias, melhorando o status da sua organização.

Por que é necessário utilizá-lo?

A utilização do DRE é fundamental para diversas situações dentro do setor financeiro de uma empresa, dentre elas, para a tomada de decisões mais assertivas. Esta ferramenta traz a possibilidade de extrair informações importantes, tais como os lucros obtidos, a receita total e as despesas gerais, além de ter uma visão gerencial do negócio.

Além disso, é possível o gestor acompanhar mensalmente a evolução de alguns indicadores principais, como por exemplo, qual o percentual do faturamento corresponde cada uma das despesas.

Diferentemente do fluxo de caixa, que é sempre feito com base no regime de caixa, o DRE é montado em regime de competência. (entenda cada um destes conceitos neste artigo). Logo uma boa prática é a utilização das duas ferramentas em conjunto, pois o DRE mostra se a empresa gera ou não resultado e o fluxo de caixa mostra se o resultado é sustentável e se a empresa tem uma boa gestão de caixa.

Saiba mais sobre fluxo de caixa, acessando este artigo.

Como isso é possível?

Vamos tomar como exemplo uma empresa X que faturou em um mês $50.000,00 e possui a seguinte estrutura de custos:

Faturamento               50.000,00 
(-) Custos variáveis 35%               17.500,00 
(-) Gastos fixos               27.000,00 
Resultado                  5.500,00 

Obs: este DRE ilustrativo foi resumido para fins de compreensão.

No caso da empresa X acima, ela apresenta um resultado positivo de $5.500,00 e 11% de lucratividade, que é o lucro dividido pelo faturamento, porém, esta empresa acabou de fechar uma compra de matéria prima de $30.000,00 para pagar no próximo mês. Esta compra efetuada não aparece no DRE deste mês e não vai aparecer no DRE do próximo mês, pois ele é feito por regime de competência, no entanto este valor deve aparecer no fluxo de caixa.

Analisando esta empresa somente com base no DRE ela possui um resultado positivo, mas em termos de caixa, não podemos afirmar a mesma coisa.

Por este motivo um bom gestor anda sempre com as duas ferramentas atualizadas.

Como montar um DRE?

O DRE possui sempre uma mesma estrutura, independente do tipo de empresa que você tem ou nicho que você atua. 

A Lei das Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/1976), em seu artigo 187, define a forma como as empresas devem discriminar a Demonstração do Resultado do Exercício. Nos termos da lei, portanto, a DRE deverá conter:

  1. a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos;
  2. a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos, e o lucro bruto;
  3. as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais;
  4. o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas;
  5. o resultado do exercício antes do Imposto sobre a Renda e a provisão para o imposto;
  6. as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracterizem como despesa;
  7. o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social.

Ficou alguma dúvida sobre o que é DRE? Caso você ainda tenha alguma dúvida sobre o que é, ou como montar, deixe ela nos comentários. Assim, podemos te auxiliar neste processo! 

Aproveite para baixar nossa planilha de DRE modelo gratuitamente.

Kleber Donady – Sócio fundador da Be Able e instrutor de treinamentos relacionados à Gestão Empresarial, como: Liderança, Gestão Financeira, Empreendedorismo, Design Thinking, entre outros com foco em evolução profissional e pessoal.
O que é Capital de Giro e como calcular

O que é Capital de Giro e como calcular

Podemos dizer que existem dois tipos de investimento que um empresário deve fazer em sua empresa, o primeiro refere-se ao investimento para a empresa começar a operar, como a compra de máquinas, veículos, prédios e outros ativos, já o segundo investimento é o Capital de Giro.

Mas por que Capital de Giro é um tipo de investimento?

Neste artigo, você vai encontrar esta resposta e todas as informações necessárias para entender o conceito e como utilizá-lo na sua empresa.

Veja o que você vai aprender sobre capital de giro:

  • Capital de giro, o que é?
  • Por que é importante ter capital de giro?
  • Como é o funcionamento interno ao redor do capital de giro?
  • Como calcular o capital de giro da empresa?
  • Capital de giro x lucro da empresa
  • Quanto de capital de giro eu preciso ter na minha empresa?

Capital de Giro, o que é?

Respondendo a pergunta do início do texto, capital de giro pode ser considerado um investimento, pois ele compõe uma parcela de recursos, ou seja, dinheiro em caixa, que será utilizado para suprir as necessidades financeiras da empresa, tais como: compra de estoque, salário dos funcionários, aluguel do imóvel entre outros, em uma eventual casualidade ou como fator estratégico competitivo (falaremos sobre isso mais abaixo). 

Significa dizer que, o capital de giro é compreendido como a quantidade de dinheiro que a empresa precisa para operar regularmente e realizar os seus negócios, por isso: “giro”.

Por que é Importante ter Capital de Giro?

O capital de giro tem inúmeras funções importantes, ele garante a saúde financeira da empresa, proporcionando, recursos de financiamento aos clientes (em casos de vendas à prazo), mantém os estoques,  assegura o pagamento aos fornecedores, pagamento de impostos, salários e demais custos e despesas operacionais da empresa, ou seja, é responsável pela gestão de todos os recursos que fazem a empresa funcionar.

Sendo importante pontuar que o capital de giro é a diferença entre os recursos disponíveis em caixa e a soma das despesas e contas a pagar, alguns erros e falhas na gestão do capital de giro da empresa podem fazer com que o empresário tenha que captar recursos adicionais, sendo muitas vezes desvantajoso para empresa, como é o caso de empréstimos em bancos que nem sempre possuem taxas e juros convidativos. 

Em situações assim de riscos, o capital de giro deverá cobrir as despesas rotineiras com os próprios recursos da empresa, por isso é importante trabalhar com as sobras de caixa e ter uma administração estratégica sobre essas, visando possíveis custos e despesas extraordinárias ou, até mesmo em situações que demandem investimento para um maior crescimento. 

O ideal é que a empresa possa custear suas operações, prevenindo-se de endividamentos como, financiamentos ou empréstimos, que em geral são fatores de riscos para qualquer empresa, os empréstimos deverão ser tomados para outros fins, como, para investimentos em novos planos, expansão e crescimento do negócio.

Quando dissemos acima que capital de giro pode ser um fator estratégico competitivo, podemos citar vários exemplos de ações que podem ser realizadas e que ilustram bem este conceito:

  • Aumentar prazo de pagamento ao cliente;
  • Comprar mais estoque para aproveitar um preço mais baixo do fornecedor;
  • Resistir a possíveis quedas do mercado, sem a necessidade de aumentar os preços;
  • Garantir seus melhores funcionários em épocas de crise;
  • Entre outros.

Como pode ver, uma empresa com boa gestão de seu capital de giro pode ter inúmeras vantagens perante seus concorrentes.

Como é o funcionamento interno ao redor do Capital de Giro?

É essencial que a empresa tenha um bom planejamento, com um detalhamento de gastos de curto e longo prazo e o controle das possíveis entradas de dinheiro em seu caixa, esse controle é fundamental, por isso é importante a empresa utilizar o seu fluxo de caixa corretamente (veja o que é fluxo de caixa e como montar neste artigo), de forma que o cálculo a ser feito seja o mais correto possível.

Mas o que isso quer dizer?

Para calcular o capital de giro de forma simples e adequada é preciso identificar as variáveis e contas que estão relacionadas a operação da empresa, começando pelo ativo circulante, o que significa dizer que é primordial identificar os valores relacionados às contas a receber, o estoque, os adiantamentos entre outros, de acordo com o ramo em que a empresa atua, é claro.

Deve-se considerar também o passivo circulante, isto é, as contas a pagar, os fornecedores, folha de pagamento, aluguel, impostos e demais despesas, de forma alguma o passivo circulante poderá ser negligenciado, por um simples motivo, o passivo circulante são as contas que a empresa precisa pagar para manter sua operação em funcionamento.

Sendo indispensável ressaltar que todos esses fatores podem apresentar uma grande variação de um mês para outro, sendo necessário realizar o cálculo do capital de giro com periodicidade e utilizar-se de uma média de um período de tempo como base.

Como Calcular o Capital de Giro da empresa?

O cálculo do capital de giro é extremamente simples, sendo utilizado uma fórmula para tal, a qual basta somar os Ativos Circulantes (Investimentos) e reduzir os Passivos Circulantes (Fonte de Recursos), ficando da seguinte forma:

CG = AC – PC

“AC” seria o ativo circulante e o “PC” seria o passivo circulante, simples não?!

Em casos de dúvidas nas contas do balanço patrimonial que constituem os ativos e passivos circulantes para fins de cálculo do capital de giro o ideal é consultar um profissional da área de contabilidade que poderá fazer uma análise completa. 

No caso de não possuir um balanço patrimonial, você poderá realizar este cálculo da seguinte maneira:

  • Some todos os valores que a empresa possui em caixa, seja uma aplicação financeira ou saldos de conta bancária;
  • Adicione o valor de estoque, no caso de empresa que venda produtos;
  • Veja se a empresa possui algum crédito a receber, como pagamento de empréstimo ou uma comissão;

A soma destes valores acima é o valor do Ativo Circulante.

  • Agora, some todos os recebimentos previstos, exemplo: boletos a receber, parcelas de cartões etc.
  • Faça uma soma de tudo que a empresa precisa pagar no próximo mês, incluindo fornecedores, funcionários, campanhas, parcelas de empréstimos ou financiamentos etc.

A soma destes valores é o total do Passivo Circulante.

Concluídas as contas, basta utilizar a fórmula acima e realizar o cálculo.

Capital de giro x lucro da empresa

Importante citar que o capital de giro não é o mesmo que o investimento fixo, pois este está relacionado a todo o investimento inicial na estrutura da empresa, sendo ainda mais importante ressaltar que o capital de giro em nenhuma hipótese poderá ser confundido com o lucro da empresa, pois, o  capital de giro tem como natureza, ser uma reserva econômica para as atividades da empresa, coisa muito diferente do lucro.  

Logo, toda empresa precisa separar fisicamente e contabilmente estes dois valores, de modo a não incorrer em erros de gestão.

Outro ponto a salientar é que em casos, onde haja dois ou mais sócios que receberão a distribuição dos lucros, este deve ser calculado após a separação do valor para capital de giro.

Se uma empresa gera de lucro líquido todos os meses R$10.000,00, por exemplo, cabe aos sócios definir o % para a formação do capital de giro e só após esta separação definir qual o valor vai para o bolso de cada um.

Uma das causas que fazem empresas “quebrarem” financeiramente é justamente a falta de capital de giro, no entanto, ao analisar a vida dos sócios percebe-se que estes estavam “ricos”, mas a empresa não.

Quanto de Capital de Giro eu preciso ter na minha empresa?

Esta é uma pergunta que não há uma resposta 100% correta ou certeira, obviamente, quanto maior o capital de giro melhor, no entanto é preciso haver um equilíbrio entre conservadorismo e risco.

Uma empresa que vive de produtos sazonais, como por exemplo, fabricação e venda de chocolates, deve ter um capital de giro maior para poder suprir os meses em que não há grandes faturamentos, todo o lucro obtido em épocas festivas como a Páscoa ou dia dos namorados, que sabemos que a venda de chocolates aumenta, não pode ser totalmente destinado ao bolso dos sócios. 

Em contrapartida, uma empresa que dependa de atualizações constantes, como no mercado de tecnologia, não pode, num primeiro momento, decidir guardar todo o dinheiro de lucro e deixar de investir para se atualizar.

Por este motivo cada caso é um caso. Veja em qual modelo sua empresa se adequa e quanto você pode formar de capital de giro.

Concluindo, podemos identificar que a administração do capital de giro do seu negócio significa avaliar o atual momento, as faltas e as sobras de recursos financeiros e os reflexos de decisões em relação a compras, vendas e administração do caixa sendo essencial seu conhecimento e uso para que a empresa se desenvolva com sucesso.  

Pin It on Pinterest